quarta-feira, 3 de março de 2010

ESCOTISMO NO" LAR DA CRIANÇA FELIZ"

“”””””ESCOTISMO NO LAR”””””

Grupo Escoteiro “ Bartolomeu de Gusmão” do “Lar da Criança Feliz” em franca ascenção

Bartolomeu de Gusmão o “ Padre Voador “

É PATRONO DO GRUPO ESCOTEIRO DO LAR

Foi a 08 de Agosto de 1709 ,em lisboa ,no pátio do palácio das índias,na presença de D.João V,que o padre brasileiro,nascido em Santos ,Bartolomeu Lourenção de Gusmão,apresentou a máquina de voar que tinha inventado: um pequeno balão esférico de ar aquecido ,que subiu suavemente até a sala das Embaixadas. A experiência porém ,terminou de forma acidentada,por ter Ridicularizado pela ignorância ,perseguido pela superstição ,o padre Bartolomeu de Gusmão foi vitima de um meio atrasado ,que não soube compreender e avaliar a importância do seu invento.
Procurando refúgio em terra estranha ,morreu em toledo ,amargurado,esquecido, e a humanidade não se beneficiou desde logo com os frutos de sua invenção ,no dizer do colunista M.Garabosky.

O Lar da criança Feliz,está com o Grupo Escoteiro em franca atividade ,tendo como chefes Jayme Janeiro Rodrigues e William S. Chahud.


Texto Públicado pela Revista A VERDADE 1977 -Orgão Oficial da Maçonaria da Grande loja do estado de São Paulo.
Editado por: .'. Luiz Francisco Guarinon. -Jornalista Responsável.

Reproduzido na integra por mim:William Saghi Chahud – hoje: 03.03.10

A Memória é algo notável quando usada de forma integra e responsável.

4 comentários:

  1. Bom trabalho a todos e paz no coração.

    ResponderExcluir
  2. Feliz Páscoa meu querido amigo.I hope you all good,peace and love to you.God bless you.

    Kata

    ResponderExcluir
  3. Feliz Páscoa, William!

    BEIJO ROSA, BEIJO AZUL

    Théophile Gautier (1811-1872)

    À mesa, noutro dia, a rede de guipura,
    Qual fios brancos sobre o mármore lançados,
    Do teu colo, deixando o teu primor vedado,
    Mostrava sob a neve, a neve tão mais pura.

    Reinavas entre nós, deslumbrante figura,
    E o beijo vesperal, levemente azulado,
    Como ao redor de um fruto a flor do aveludado,
    No teu ombro escorria em esguias ranhuras.

    Misturando-se ao jogo, a luz incandescente
    Dava um beijo rosa ao beijo azul fulgente:
    Como brilha ao luar um fogo alabastrino.

    Pensava, em sonhos, ante o quadro esplendoroso,
    Invejando o reflexo azul e o nacarino:
    “Se cada qual soubesse, o quão, como é ditoso!”
    Trad. da Renata Cordeiro

    + Beijos!
    Renata

    ResponderExcluir
  4. Olá Willian! Hoje é quinta-feira, uma correria. Não repare em minha visita relâmpago, mas venho lhe convidar para ler o novo capítulo de “O Diário de Bronson (O Chamado)” e deixar o seu comentário.

    Retornarei com melhores modos e mais tempo. Tenha uma ótima semana. Abraço do Jefhcardoso!

    ResponderExcluir

Deixe aqui registrado seu comentário: