segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

MARINHA DO BRASIL NO LIBANO


Atuação da Marinha do Brasil na força de paz no Líbano (UNIFIL) - Documentário

MEU ANIVERSÁRIO !!


Pela primeira vez na minha vida ,eu fui desprezado e colocado a margem eu fiz aniversário no dia 29 de Janeiro de 2017 ,e não recebi os cumprimentos de minha irmã e menos ainda de meus dois sobrinhos. justamente eu que sempre os tratei dignamente sempre cumprimentei minha irmã e sobrinhos nos aniversários de cada um e sempre que pude dei presentes também. Parece que quanto mais se vive mais se aprende e devemos ser fortes pois o desprezo vem sempre das pessoas que apendemos a confiar e honrar ,que pena!! Mais este aprendizado na minha vida. ,devo agradecer a DEUS todo poderoso por mostrar mais este lado da vida .

sábado, 28 de janeiro de 2017

HINO DOS AVIADORES BRASILEIROS


Hino dos Aviadores Brasileiros e da Força Aérea Brasileira. Hino dos Aviadores Brasileiros Letra: Cap Armando Serra de Menezes Música: Cap João Nascimento "Vamos filhos altivos dos ares Nosso voo ousado alçar Sobre campos, cidades e mares Vamos nuvens e céus enfrentar D´astro rei desafiamos os cimos Bandeirantes audazes do azul Às estrelas de noite subimos Para orar ao Cruzeiro do Sul Contato, companheiros! Ao vento sobranceiros Lancemos o roncar Da hélice a girar Mas se explode o corisco no espaço Ou a metralha na guerra rugir Cavaleiros do século do aço Não nos faz o perigo fugir Não importa a tocaia da morte Pois que a pátria dos céus o altar Sempre erguemos de ânimo forte O holocausto da vida a voar Contato, companheiros! Ao vento sobranceiros Lancemos o roncar Da hélice a girar!

Comemora-se em 20 de Janeiro de 2017 os 76 anos de criação do ministério da aeronáutica em 20 de Janeiro de 1941


A criação do Ministério da Aeronáutica e as Forças Aéreas Nacionais, com a fusão do Corpo de Aviação da Marinha e a Arma de Aeronáutica do Exército, ocorreu em 20 de janeiro de 1941. Quatro meses mais tarde. em 22 de maio de 1941, as Forças Aéreas Nacionais passam a denominar-se FORÇA AÉREA BRASILEIRA (FAB). Inicialmente seu acervo foi constituído pelo equipamentos existentes nas duas armas aéreas, Marinha e Exército, composto de uma variada gama de aviões procedentes de diversos países, como Estados Unidos, Inglaterra, França, Itália, além de alguns aviões produzidos no Brasil em caráter experimental e alguns seriados. A Segunda Guerra Mundial será o marco divisor para a modernização e a tentativa de implantação de uma indústria aeronáutica local. Com a entrada dos Estados Unidos na guerra, em 1941 e o Brasil em 1942, e a importância da costa brasileira - no norte do país - para o esforço de guerra dos aliados, onde diversas bases americanas foram construídas, a FAB passa a receber modernos aviões para as mais variadas funções, como caças, bombardeiros, patrulha, etc. Este é sem dúvida o seu momento de consolidação e glória, formando nos Estados Unidos diversos pilotos que serão os multiplicadores no seu crescimento e culminado com a participação do 1º Grupo de Aviação de Caça e a 1ª Esquadrilha de Ligação e Observação no teatro de operações europeu onde participou na Campanha da Itália em 1944 e 1945, único país da América do Sul. Vale lembrar que o México participou com um Grupo de Aviação no teatro do Pacífico ao lado dos americanos. Outro fator importante foi a sua participação na Campanha do Atlântico Sul ao longo da costa brasileira, chegando inclusive a afundar submarinos do eixo, a partir de 1942. Com o fim da guerra, e a grande fartura de material aeronáutico excedente, a FAB passa a receber grande quantidade dos Estados Unidos, o que de certa forma gera o fim da indústria aeronáutica no Brasil, ficando mais cômodo e barato importar do que fabricar. Comemora-se em 20 de Janeiro de 2017 os 76 anos de criação do ministério da aeronáutica em 20 de Janeiro de 1941.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

BANDEIRA DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL


Hino dos Aviadores Brasileiros e da Força Aérea Brasileira.


Hino dos Aviadores Brasileiros e da Força Aérea Brasileira.

Herói Nacional o Marechal do Ar Eduardo Gomes


Herói Nacional o Marechal do Ar Eduardo Gomes

FABTV - FAB na História - Década de 40


Conhecer o passado para compreender o presente. O FAB na História vai contar os fatos que marcaram e moldaram a Força Aérea Brasileira. No primeiro programa falaremos sobre a criação do Ministério da Aeronáutica, das aventuras do Correio Aéreo Nacional e dos heróis da Segunda Guerra mundial.

ALGUNS DOS CRIADORES DO MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA NO BRASIL


Vemos abaixo os Heróis nacionais e constituirão o Ministério da Aeronáutica por ordem hierárquica. Primeiro Ministro da Aeronáutica, Doutor Joaquim Pedro Salgado Filho, Coronel Aviador Vasco Alves Secco , Major Aviador, Godofredo Vidal , 1 Sargento Rádio telegrafista Jayme Janeiro Rodrigues.

Comemora-se em 20 de Janeiro de 2017 os 76 anos de criação do ministério da aeronáutica em 20 de Janeiro de 1941.


Em 20 de janeiro de 1941 o Brasil atravessava um momento histórico: era criado o Ministério da Aeronáutica, órgão que tinha como objetivo alavancar o crescimento da aviação civil e militar, e o seu braço armado, a Força Aérea Brasileira (FAB). “O futuro do Comando da Aeronáutica não pode prescindir do culto ao passado, reverenciando os idealistas e os visionários que, trilhando um instigante caminho, promoveram a evolução aeronáutica no Brasil, conduzindo-nos ao cenário que hoje vivenciamos”, diz o Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro-do-Ar Juniti Saito, em pronunciamento sobre a criação do Ministério da Aeronáutica. O contexto da criação do Ministério era bastante peculiar: o mundo assistia à Segunda Guerra Mundial e a aviação se revelava como uma importante ferramenta para a defesa das nações. Além disso, os aviões também se apesentavam como um promissor e revolucionário meio de transporte. No Brasil, a indústria, porém, ainda engatinhava: faltava pilotos, aeronaves, normas reguladoras e de segurança. Enfim, ainda não existia uma pensamento voltado ao desenvolvimento da aviação no país. Após a criação do Ministério da Aeronáutica, inicialmente comandada pelo Doutor Joaquim Pedro Salgado Filho, o setor de aviação brasileiro passou por um momento de expansão: criou-se uma campanha para construção de aviões; cursos de formação de pilotos civis foram implantados; houve a regulamentação de normas para o setor aéreo no país; firmou acordos com países como Estados Unidos, Dinamarca e Suíça sobre transportes aéreos e o Correio Aéreo Militar, antes realizado pelo Exército, no interior, e pela Marinha, no litoral, foi transformado no Correio Aéreo Nacional. A criação do Ministério da Aeronáutica e as Forças Aéreas Nacionais, com a fusão do Corpo de Aviação da Marinha e a Arma de Aeronáutica do Exército, ocorreu em 20 de janeiro de 1941. Quatro meses mais tarde. em 22 de maio de 1941, as Forças Aéreas Nacionais passam a denominar-se FORÇA AÉREA BRASILEIRA (FAB). Inicialmente seu acervo foi constituído pelo equipamentos existentes nas duas armas aéreas, Marinha e Exército, composto de uma variada gama de aviões procedentes de diversos países, como Estados Unidos, Inglaterra, França, Itália, além de alguns aviões produzidos no Brasil em caráter experimental e alguns seriados. A Segunda Guerra Mundial será o marco divisor para a modernização e a tentativa de implantação de uma indústria aeronáutica local. Com a entrada dos Estados Unidos na guerra, em 1941 e o Brasil em 1942, e a importância da costa brasileira - no norte do país - para o esforço de guerra dos aliados, onde diversas bases americanas foram construídas, a FAB passa a receber modernos aviões para as mais variadas funções, como caças, bombardeiros, patrulha, etc. Este é sem dúvida o seu momento de consolidação e glória, formando nos Estados Unidos diversos pilotos que serão os multiplicadores no seu crescimento e culminado com a participação do 1º Grupo de Aviação de Caça e a 1ª Esquadrilha de Ligação e Observação no teatro de operações europeu onde participou na Campanha da Itália em 1944 e 1945, único país da América do Sul. Vale lembrar que o México participou com um Grupo de Aviação no teatro do Pacífico ao lado dos americanos. Outro fator importante foi a sua participação na Campanha do Atlântico Sul ao longo da costa brasileira, chegando inclusive a afundar submarinos do eixo, a partir de 1942. Com o fim da guerra, e a grande fartura de material aeronáutico excedente, a FAB passa a receber grande quantidade dos Estados Unidos, o que de certa forma gera o fim da indústria aeronáutica no Brasil, ficando mais cômodo e barato importar do que fabricar. Comemora-se em 20 de Janeiro de 2017 os 76 anos de criação do ministério da aeronáutica em 20 de Janeiro de 1941.