terça-feira, 19 de julho de 2016

CORRESPONDÊNCIA HIERÁRQUICA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA


CORRESPONDÊNCIA HIERÁRQUICA DA MARINHA DO BRASIL


CORRESPONDÊNCIA HIERÁRQUICA DO EXÉRCITO BRASILEIRO


quarta-feira, 6 de julho de 2016

20 DE JULHO COMEMORAMOS OS 143 ANOS DE NASCIMENTO DO PAI DA AVIAÇÃO BRASILEIRA E MUNDIAL


20 DE JULHO COMEMORAMOS OS 143 ANOS DE NASCIMENTO DO PAI DA AVIAÇÃO BRASILEIRA E MUNDIAL " ALBERTO SANTOS DUMONT " PATRONO DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA

20 DE JULHO COMEMORAMOS OS 143 ANOS DE NASCIMENTO DO PAI DA AVIAÇÃO BRASILEIRA E MUNDIAL


20 DE JULHO COMEMORAMOS OS 143 ANOS DE NASCIMENTO DO PAI DA AVIAÇÃO BRASILEIRA E MUNDIAL " ALBERTO SANTOS DUMONT " PATRONO DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA Alberto Santos Dumont, nascido em Palmira – MG (hoje Santos Dumont – MG), a 20 de julho de 1873, foi um engenheiro – apesar de não ter tido formação acadêmica nessa área – e pioneiro da aviação. Herdeiro de uma família de cafeicultores prósperos, interessava-se pela engenharia e logo adolescente pôde pilotar as locomotivas da fazenda de seu pai, devidamente autorizado. Também ajudava na manutenção das máquinas de café e da máquina de costura de sua mãe. Analisando o funcionamento das máquinas a vapor, das engrenagens e a transmissão das polias, aprendeu a lidar com equipamentos mecânicos. Seus avós paternos eram franceses e ele pôde se dedicar aos estudos da ciência e da mecânica vivendo em Paris. Ao contrário de outros aeronautas da época, deixava suas pesquisas como domínio público e sem registrar patentes. Ele foi o primeiro a decolar a bordo de um avião, impulsionado por um motor aeronáutico, apesar de alguns países considerarem os Irmãos Wright como os inventores do avião, por uma decolagem ocorrida em 17 de dezembro de 1903. Santos Dumont foi o primeiro a cumprir um circuito pré-estabelecido sob testemunho oficial de especialistas, jornalistas e da população parisiense. Em 23 de outubro de 1906, voou cerca de 60 metros e a uma altura de 2 a 3 metros com seu 14 Bis, no Campo de Bagatelle em Paris. Menos de um mês depois, repetiu o feito e, diante de uma multidão de testemunhas, percorreu 220 metros a uma altura de 6 metros.

9 DE JULHO COMEMORA-SE OS 84 ANOS DA REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA DE 1932


Reivindicações Os paulistas exigiam do governo provisório a elaboração de uma nova Constituição e a convocação de eleições para presidentes. Exigiam também, de imediato, a saída do interventor pernambucano João Alberto e a nomeação de um interventor paulista. Os paulistas também criticavam muito a forma autoritária com que Vargas vinha conduzindo a política do país. Queriam mais democracia e maior participação na vida política do Brasil. As manifestações Com Vargas não atendeu as reivindicações dos paulistas, em maio de 1932 começaram uma série de manifestações de rua contrárias ao governo Vargas. Numa destas manifestações, houve forte reação policial, ocasionando a morte de quatro estudantes (Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo). As iniciais dos nomes destes estudantes (MMDC) transformou-se no símbolo da revolução. A Revolução Constitucionalista Em 9 de julho de 1932 teve início a Revolução Constitucionalista, que foi uma verdadeira guerra civil. Os paulistas fizeram uma grande campanha, usando jornais e rádios, conseguindo mobilizar grande parte da população. Os combates ocorreram, principalmente, no estado de São Paulo, região sul do Mato Grosso e região sul de Minas Gerais. Contando apenas com o apoio do sul do Mato Grosso, São Paulo enfrentou o poder militar do das forças armadas federais. O resultado foi a rendição e derrota paulista em 28 de setembro de 1932. Cerca de três mil brasileiros morreram em combate e mais de cinco mil ficaram feridos durante a revolução. Conclusão Embora derrotados, os paulistas conseguiram alcançar alguns objetivos. Entre eles, a Constituição que acabou sendo promulgada em julho de 1934, trazendo alguns avanços democráticos e sociais para o país.