quinta-feira, 31 de março de 2011

MARECHAL. CÂNDIDO MARIANO DA SILVA RONDON





MARECHAL RONDON
Praticamente cego ,mal enxergando em preto e branco e com um olho só,RONDON,em maio deste ano completaria 146 anos .foi promovido a Marechal ,através de um projeto apresentado na câmara ,e sancionado mais tarde.,Antes o congresso concedera as honras de Marechalato ao General Mascarenhas de Moares ,e assim, como este se tornou o Marechal dos Pracinhas ,e RODON dos ÍNDIOS.
Durante 75 anos ,ele havia servido ao seu Pais ,desde o longinquo ano de 1881 em que ,aos 16 anos sentou praça no Exército ,inicio de sua carreira.

Nascido em 05 de Maio de 1865 em mimoso, e nas cercanias de Cuiabá ,estado do mato grosso RODON tem nas veias sangue espanhol e paulista pelo lado paterno (dai a explicação para o seu sobrenome)e sangue índio BORÔROS e teremos pelo lado materno.
Falava bem o Borôro , língua de sua Mãe que morreu um mês após traze=lo ao mundo conhecia também o Guarani.
Amigo dos Índios ,dos pássaros e dos cães, é ele como Presidente do Conselho Nacional dos índios “ O PAI GRANDE “,de 150 a 160 mil selviculas brasileiros ,dos quais 30 mil recebem assistência do Governo em 93 Postos. O MARECHAL RONDON ia quase todos os dias ao Conselho Nacional dos Índios ,mandou que se abrisse inquérito para reprimir a espoliação das terras dos índios do alto xingú ,feito pelo governo e particulares de Mato Grosso .Não era a primeira vez que o marechal fora obrigado a lutar contra os civilizados que roubavam ,corrompiam essa nação de gente que moram no mundo que ele com sacrificio desbravou.
Quando atravessou as selvas ,comandando gente que era uma especie de LEGIÃO ESTRANGEIRA ,o seu lema era: < Morrer, se for preciso,matar,nunca>, mesmo quando na terra dos Nambiquaras cujas setas envenenadas semeavam horror e a morte entre os seus homens ,ele tudo fez para que esse lema fosse mantido :os índios tinham razão ,pois a terra era deles.
Embora internacionalmente conhecido .,tenha sido lembrado para o Prêmio Nobel da Paz . O Marechal nunca esteve na Europa.sua religião era uma mistura de positivismo e catolicismo ,tendo neto jesuíta e várias netas fleiras.
Escritor ,a sua bagagem literária e cientifica era uma coluna básica de nossa brasilidade .Quando RODON foi pela ultima vez ao Mato Grosso ,visitou o Chefe índio Cadete ,que tanto o auxiliou em sua ação desbravadora .É seu amigo que faleceria um ano depois .Velho como a serra convidou-o para ir morrer entre os Borôros ,alegando que morrendo no Rio,os civilizados o enterrariam depressa ,sem ritual e o esqueceriam mais depressa.
Nota Importante: Eu Editor Responsável William ,adito o declinado acíma como expressão da verdade ,pois tudo foi-me narrado pelo meu então comandante e chefe “ Jayme Janeiro Rodriguês “,que também foi amigo e companheiro militar desde que o Marechal Rondon ainda era Coronel.

Editor Rersponsável: William Saghi Chahud.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui registrado seu comentário: